CONTADOR DE HOMICÍDIOS 2014

Águas Belas - 05
Angelim - 02
Bom Conselho - 09
Brejão - 01
Caetés - 06
Calçado - 01
Canhotinho - 10
Capoeiras - 05
Correntes - 05
Garanhuns - 25
Iati- 03
Jupi - 04
Jucati - 02
Lajedo - 17
Lagoa do Ouro - 02
Palmeirina - 03
Paranatama - 00
Saloá - 02
São João - 06
Terezinha - 02

BLOGS E SITES PARCEIROS

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

marcello_diniz_cordeiroUm outro suspeito de envolvimento na morte do promotor de justiça Thiago Faria Soares, assassinado há um ano no Agreste de Pernambuco, foi preso pela Polícia Federal (PF), nesta quarta-feira (29), no interior da Bahia.

De acordo com informações repassadas pela assessoria de comunicação da PF, esse homem, que teria um forte vínculo com o fazendeiro José Maria Pedro Rosendo Barbosa, suspeito de ser o mandante do crime, estava escondido na cidade de Senhor do Bonfim.

“Não podemos esclarecer melhor os vínculos que o suspeito tinha com Zé Maria, mas ele é auxiliar de serviços gerais e já tinha trabalhado para o fazendeiro. O caso corre em segredo de Justiça e ainda não foi finalizado, deve demorar um pouco”, disse o superintendente da PF em Pernambuco, Marcello Diniz Cordeiro

O homem preso na Bahia teria deixado o município de Águas Belas, onde morava, no mesmo dia do assassinato, que ocorreu em Itaíba. O mandado de prisão temporária foi expedido pela juíza Carolina Souza Malta, titular da 36ª vara da Justiça Federal de Pernambuco.

Ele deve chegar ao estado até a próxima sexta-feira (31), quando prestará depoimento e passará pelas medidas de praxe antes de ser encaminhado ao Centro de Triagem (Cotel), em Abreu e Lima.

Do G1 PE

Compartilhe   

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

ze_mariaO suspeito de mandar matar um promotor de Justiça de Itaíba, no Agreste de Pernambuco, em outubro do ano passado, se apresentou à Polícia Federal (PF), nesta terça-feira (28). O fazendeiro José Maria Pedro Rosendo Barbosa, 55 anos, estava foragido desde a época do crime e falou à imprensa que chegou a dormir em cemitérios para escapar da prisão.

José Maria chegou à sede da PF por volta das 18h, acompanhado pela esposa e por advogados. “Eu estou me apresentando espontaneamente. Isso era para ter acontecido bem antes, mas a Polícia Civil nunca quis me ouvir. O delegado da Polícia Federal [Alexandre Alves], na hora que chegou em Águas Belas, que procurou minha família, meus advogados, eu me dispus a me apresentar para contribuir com as investigações”, disse.

A PF assumiu o caso em setembro passado, a pedido do Ministério Público Federal e por ordem do Superior Tribunal de Justiça. O delegado Alexandre Alves, que é de Brasília, assumiu o caso em caráter especial.

Na época do crime, ele tinha cabelos bem grisalhos e apareceu nesta terça com os fios pintados. A tintura estava sendo usada para dificultar a identificação. O suspeito não informou os locais onde esteve escondido nos últimos meses. “Eu estava na pior situação que vocês podem crer, não é fácil deixar a família e viver da maneira que vivi um ano, por causa da falta de interesse, de contribuição do estado. Cheguei a dormir várias vezes dentro de cemitério, dentro do mato e não tinha necessidade de nada disso, porque se o delegado [da Polícia Civil] tivesse mandado uma intimação, eu teria comparecido à delegacia. Nunca quiseram me ouvir”, comentou.

José Maria Pedro Rosendo Barbosa também afirmou que votou no primeiro e segundo turno, o que indica que esteva em seu domicílio eleitoral, em Águas Belas, por duas vezes. A Polícia Federal informou, através de sua assessoria de imprensa, que não vai comentar esse fato, por enquanto. O fazendeiro alegou ainda que é inocente. “Eu vou ver o que vão me perguntar [no interrogatório], estou pronto para responder. Quero ouvir por que razão estou sendo acusado, porque nunca existiu motivo de eu praticar isso que estão me acusando. Eu nunca dei um bom dia [ao promotor], não conhecia ele”, apontou.

O suspeito recebeu voz de prisão na sede da PF em cumprimento a um mandado temporário, que tem validade de 30 dias, podendo ser renovado pelo mesmo período. Segundo a PF, o depoimento dele na delegacia durou uma hora e meia. Às 22h, José Maria seguiu para o Centro de Triagem (Cotel), em Abreu e Lima, na Região Metropolitana do Recife. Ele ficará em uma área reservada que já foi acertada entre a Polícia Federal e a Secretaria de Defesa Social. Como a investigação corre em segredo de Justiça, o teor do depoimento não será revelado.

Do G1 PE

Compartilhe   

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Depois de mais de um ano foragido, o fazendeiro José Maria Pedro Rozendo Barbosa – suspeito de ter encomendado a morte do promotor de justiça Tiago Faria Soares em Itaíba, no Agreste de Pernambuco – deve se apresentar no fim da tarde desta terça-feira (28) à Polícia Federal, no Recife. A informação foi dada pelo advogado de defesa de José Maria, Anderson Flexa, na manhã desta terça.

Flexa disse que José Maria agora se sente mais protegido para prestar depoimento, depois que a Polícia Federal assumiu o caso, em setembro, a pedido do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e por ordem do Superior Tribunal de Justiça (STJ). “A Polícia Federal deixou bem claro que, em suas investigações, não vai descartar qualquer tese, qualquer linha de investigação. Isso para gente é confortante e é a certeza que nos passa que o depoimento de Zé Maria pode ser usado, agora, na tentativa de elucidação do caso”, explicou.

O crime aconteceu no dia 14 de outubro de 2013, na PE-300. Para a Polícia Civil, que iniciou a investigação do caso, foi o fazendeiro José Maria quem contratou o cunhado, Edmacy Ubirajara, para matar Tiago Faria. A motivação envolveria uma disputa por terras. Ubirajara chegou a ser preso – passou dois meses no Centro de Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, no Grande Recife. O advogado de defesa conseguiu que o acusado saísse da prisão para responder pelo homicídio em liberdade.

promotor tiago farias agresteviolento.com.brO promotor foi morto no Agreste, quando seguia de Águas Belas para Itaíba, cidade onde trabalhava. Quatro cartuchos de espingarda 12 foram encontrados no carro dele. A noiva, Mysheva Martins, e o tio dela também estavam no veículo, mas não ficaram feridos. Segundo simulação ocorrida em 23 de dezembro, os três foram perseguidos por um carro. O homem que estava no banco de trás desse veículo atirou com uma espingarda 12, acertando o promotor. Mysheva saiu do carro do noivo e se protegeu no barranco; o tio dela também saiu do veículo e andou pelo acostamento. Os atiradores voltaram e o homem que estava atrás atirou outras três vezes, antes de deixar o local do crime. Mysheva e o tio escaparam ilesos.

A Polícia Civil afirma que José Maria encomendou o assassinato porque o promotor teria ajudado a noiva, Mysheva Martins, a comprar a sede de uma fazenda em um leilão da Justiça Federal. José Maria perdeu a posse e teve que sair dessa fazenda. Em entrevista exclusiva à TV Globo, na época, o fazendeiro negou o crime. O advogado dele, Anderson Flexa, garantiu que seu cliente irá para a prisão se assim a Justiça decidir. “Ele está disposto a isso. A única exigência é qeu garantam a integridade física dele”, concluiu.

Conflito

Em agosto deste ano, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou a imediata transferência de responsabilidades no caso do promotor para os órgãos federais. Para o ministro relator, Rogerio Schietti Cruz, é notório um conflito entre Polícia Civil e Ministério Público de Pernambuco (MPPE). A Polícia Federal já estava a par de alguns atos urgentes, depois de liminar, enquanto tal determinação não era decidida. O pedido de federalização foi feito pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot.

Antes da federalização, uma das linhas de investigação apontava para uma discórdia sobre a posse da Fazenda Nova, que fica em Águas Belas, também no Agreste. José Maria Pedro Rosendo Barbosa, o posseiro das terras, teve de deixar o local depois de uma ação judicial. Por causa de uma dívida trabalhista na Justiça Federal, Mysheva Martins conseguiu comprar a sede da fazenda. Nesse processo, ela teria recebido ajuda do noivo, o promotor Thiago Faria. Na desapropriação, ele esteve na fazenda com um oficial de Justiça. Irritado com o caso, José Maria Pedro Rosendo Barbosa, segundo a polícia, teria encomendado a execução do promotor ao cunhado, Edmacy Cruz Ubirajara, que esteve preso e foi solto no dia 18 de dezembro.

Para o STJ, “o crime estaria inserido no contexto de atuação de grupos de extermínio na área, conhecida como Triângulo da Pistolagem”. Parentes da noiva do promotor já foram alvo de denúncias e investigações sobre este tipo de crime na região.

Do G1 PE

Compartilhe   

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Nesta segunda-feira (27) a Polícia Militar realizava o patrulhamento de rotina, quando tomou conhecimento através das vitimas que se encontravam na BR-423 na entrada da Aldeia Fulni-ô, quando chegou um caminhão de dados não anotados, com quatro elementos desconhecidos simulando estarem armados. Os elementos renderam as vitimas e anunciaram o assalto, levando os caminhões para um matagal. A vítima Aldo Simões Marinho, 51 anos, morador do estado da Bahia, trafegava com o caminhão SCANIA/P 360 A6X2, e teve 10 (dez) pneus, 01 (um) macaco, 01 (uma) chave de roda e a importância de R$ 600,00 (seiscentos reais) em espécie roubados. O outro motorista Adelson Patrício do Nascimento, 37 anos que reside em Recife, trafegava com o caminhão VOLVO/FH 400 6X2T e os criminosos levaram 22 (vinte e dois) pneus, 01 (um) macaco, 01 (uma) chave de roda e a importância de R$ 450,00 (quatrocentos e cinquenta reais) em espécie. Os imputados tomaram destino ignorado e a Guarnição fez diligência na área para encontrá-los, porém sem êxito. As vítimas foram orientadas a registrarem a ocorrência na 137ª Seccional, Águas Belas, para serem tomadas as medidas cabíveis.

Compartilhe   

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Policiais da 4ª Companhia de Águas Belas prenderam na madrugada desta segunda-feira (27), o agricultor Cleber José da Costa, 33 anos, o elemento chegou em casa a procura de um canivete, como a companheira não sabia onde estava o valentão passou a agredi-la a socos e pontapés, a dona de casa chamou a Polícia que conseguiu prender o cavalo do cão e o encaminhou a 18ª Delegacia Seccional em Garanhuns para as medidas cabíveis.

Compartilhe   

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Sem título-1Nesta quinta-feira (23) policiais da 4ª Companhia de Águas Belas, foram acionados ao sitio Cardoso onde a denúncia dava casal tentava assaltar populares que trafegavam de moto, ao perceberem a presença da Polícia o homem identificado como Marcio de Souza Góis, 27 anos, jogou a arma e correu pelo matagal, a companheira dele Emiali Pereira da Silva, 19 anos, não teve a mesma sorte e acabou presa, o revólver calibre 32 encontrado e a mulher autuada em flagrante na delegacia.

Compartilhe   

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

igreja de águas belas agresteviolento.com.brEm Águas Belas no Agreste, nem a Igreja escapou da ação de um marginal que entrou no local e tentou roubar o dinheiro das ofertas, a ocorrência foi registrada nesta quarta-feira (22) quando o sacristão percebeu a ação do elemento identificado como Jasiel Lourenço da Silva, 20 anos, policiais da 4ª Companhia foram acionados e chegaram ao local em tempo de efetuar a prisão em flagrante.

Com Jasiel, encontraram a quantia de R$: 23,00, ele acabou preso e encaminhado a cadeia de Saloá.

AÇÕES DA OPERAÇÃO FORÇA VOLANTE – E a população de Águas Belas sente falta do efetivo que prestou um excelente serviço na segurança da cidade, com a  saída da equipe eles alegam que a prática de crimes vem aumentando.

Compartilhe   

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Um autônomo acabou preso na noite do domingo (19), Eronildo Barbosa dos Santos, 28 anos, dirigia um carro pela Rua Sete de Setembro no centro de Águas Belas, e acabou batendo em uma moto. Policiais da 4ª Companhia realizavam a Operação Carrossel Duas Rondas conseguiram prender o condutor, o mesmo foi conduzido a 18ª Delegacia Seccional e se recusou fazer o teste do bafômetro.

Compartilhe   

sábado, 11 de outubro de 2014

A vítima identificada como José Márcio Bezerra dos Santos, 37 anos morava no sítio Marcação na zona rural de Águas Belas, o agricultor almoçava com familiares quando ao engolir um pedaço de carne ficou engasgado, a vitima começou a passar mau e precisou ser levado ao Hospital local e transferido para o Regional Dom Moura em Garanhuns onde chegou sem vida.

Compartilhe   

sábado, 11 de outubro de 2014

promotor tiago farias agresteviolento.com.brA Polícia Federal assumiu as investigações do caso da morte do promotor Thiago Faria Soares, assassinado em outubro de 2013 em Itaíba, no Agreste de Pernambuco. A informação só foi confirmada nesta sexta-feira (10) pelo superintende da PF no estado, Marcelo Diniz Cordeiro, apesar de o órgão ter assumido o caso em setembro. Foi designado especialmente para conduzir as investigações sobre o homicídio um delegado do departamento de Crimes Contra a Pessoa, de Brasília. A transferência de responsabilidade foi decretada pelo Superior Tribunal de Justiça.

O nome do delegado não foi divulgado. O superintendente afirma que a Polícia Federal não descarta nenhuma hipótese sobre o crime. “Está sendo feita uma análise de todo o material que já foi levantado, que já foi apurado até então. Também já foram iniciadas algumas diligências de campo que a equipe julgou necessárias, principalmente entrevistas, oitivas, inquirições, entre outros tipos de levantamento. Todas as linhas de investigação são consideradas e, com o tempo, tudo isso vai ser trazido à tona e levado para a Justiça o trabalho feito pela Polícia Federal”, afirma Diniz.

Em agosto deste ano, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou a imediata transferência de responsabilidades no caso do promotor para os órgãos federais. Para o ministro relator, Rogerio Schietti Cruz, é notório um conflito entre Polícia Civil e Ministério Público de Pernambuco (MPPE). A Polícia Federal já estava a par de alguns atos urgentes, depois de liminar, enquanto tal determinação não era decidida. O pedido de federalização foi feito pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot.

Entenda o caso

O promotor Thiago Faria Soares estava acompanhado da noiva, Mysheva Martins, e do tio dela, quando dirigia pela PE-300, no município de Itaíba, no dia 14 de outubro de 2013. Segundo simulação ocorrida em 23 de dezembro, os três foram perseguidos por um carro. O homem que estava no banco de trás desse veículo atirou com uma espingarda 12, acertando o promotor. Mysheva saiu do carro do noivo e se protegeu no barranco; o tio dela também saiu do veículo e andou pelo acostamento. Os atiradores voltaram e o homem que estava atrás atirou outras três vezes, antes de deixar o local do crime. Mysheva e o tio escaparam ilesos.

 Antes da federalização, uma das linhas de investigação apontava para uma discórdia sobre a posse da Fazenda Nova, que fica em Águas Belas, também no Agreste. José Maria Pedro Rosendo Barbosa, o posseiro das terras, teve de deixar o local depois de uma ação judicial. Por causa de uma dívida trabalhista na Justiça Federal, Mysheva Martins conseguiu comprar a sede da fazenda. Nesse processo, ela teria recebido ajuda do noivo, o promotor Thiago Faria. Na desapropriação, ele esteve na fazenda com um oficial de Justiça. Irritado com o caso, José Maria Pedro Rosendo Barbosa, segundo a polícia, teria encomendado a execução do promotor ao cunhado, Edmacy Cruz Ubirajara, que esteve preso e foi solto no dia 18 de dezembro. Até o momento, no entanto, José Maria está foragido.

 Para o STJ, “o crime estaria inserido no contexto de atuação de grupos de extermínio na área, conhecida como Triângulo da Pistolagem”. Parentes da noiva do promotor já foram alvo de denúncias e investigações sobre este tipo de crime na região.

Do G1 PE

Compartilhe